Coletivo ‘Bixa Pare’: questões LGBT nas periferias

A performance 2017 445 faz uma homenagem às 445 pessoas mortas em decorrência da LGBTfobia em 2017; programação é gratuita e reúne performance, intervenção artística e sarau

0

O Brasil é o país que mais mata LGBTs nas Américas. De acordo com o relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (ILGA), o país ocupa o primeiro lugar na quantidade de homicídios de LGBTs com 340 mortes por motivação homofóbica em 2016. Partindo dessa realidade hostil e violenta, a Oficina Cultural Alfredo Volpi, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo gerenciada pela Poiesis, realiza, entre 28 e 30 de junho, a Ocupação: Coletivo Bixa Pare. O evento propõe, por meio de intervenções artísticas, discutir as desigualdades gerada pela homofobia, levando em consideração também questões de raça e classe.

A performance 2017 445 faz uma homenagem às 445 pessoas mortas  em decorrência da LGBTfobia em 2017 na quinta-feira (28), às 17h00. Na sexta-feira (29), também às 17h00, o Bixa Freak Show mostra que festa também pode ser sinônimo de luta. A festa é comandada pela drag queen Melissa Babalu e promete muita música, dança, coreografia e glitter.

Bixaria Literária é um sarau que dá visibilidade a trabalhos literários feitos por pessoas LGBTs, criando um espaço para que os participantes sintam-se à vontade para compartilhar seus trabalhos com o público presente. O sarau-resistência acontece sábado (30), às 19h00.

Criado em 2017, os integrantes do Coletivo Bixa Pare já trabalharam juntos em diversas produções desde 2012, desenvolvendo atividades que partem da pesquisa a respeito do corpo bicha na sociedade. “É muito grande a diferença de ser e existir LGBT na periferia e no centro, mas quando começamos a ter o retorno dos participantes da oficina que ministramos entre janeiro e março na Oficina Cultural Alfredo Volpi, tivemos a certeza que deveríamos propor cada vez mais ações. Como residimos na oficina desde quando começamos, sabemos a importância de sempre dialogar com frequentadores do espaço e moradores das quebradas mais próximas que sempre trocam e afirmam a importância de trabalhos como esses circularem nas periferias”, conta Diego Castro, do Coletivo.

SERVIÇO

Performance: 2017 445

28/6. Quinta-feira, 17h00 às 18h00.

Atividade gratuita sem necessidade de inscrição prévia.

Recomendação etária: 14 anos.

Bixa freak show

29/6. Sexta-feira, 17h00 às 18h00.

Atividade gratuita sem necessidade de inscrição.

Recomendação etária: livre.

Sarau Bixaria Literária

30/6. Sábado, 19h00 às 21h00.

Atividade gratuita sem necessidade de inscrição.

Recomendação etária: livre.

SOBRE A OFICINA CULTURAL ALFREDO VOLPI

Criada pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, desde 1986 a oficina de cultura trabalha com a formação de jovens profissionais em diversas áreas, como artes plásticas, dança, fotografia, moda, performance, processos gráficos e teatro.

SOBRE POIESIS

A instituição, que tem por objetivo o desenvolvimento sociocultural e educacional, com ênfase na preservação e difusão da língua portuguesa, desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para o complemento da formação de estudantes e público em geral. A POIESIS trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

Oficina Cultural Alfredo Volpi

Rua Américo Salvador Novelli, 416 – Itaquera – São Paulo/SP

Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 10h às 22h. Sábados, das 10h às 18h.

Mais informações: (11) 2205-5180 | 2056-5028 | www.oficinasculturais.org.br

Acessibilidade no local.

Fonte: Secretaria de Cultura

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Por favor, insira seu nome