Itaú Cultural homenageia Antonio Candido na 40ª edição do “Ocupação”

"A criação ficcional nos integra, ela passa a ser um componente da nossa visão do mundo, da nossa maneira de ser"

0

O sociólogo, crítico literário e professor universitário Antonio Candido, um dos maiores intelectuais da história do Brasil, é o homenageado na 40ª edição do programa “Ocupação” do Instituto Itaú Cultural. A exposição acontece até 12 de agosto e reúne entrevistas, fotos, escritos, anotações e objetos de seu acervo pessoal, um conjunto de expressões que mostra um pouco da dimensão de sua vida e obra, em uma trajetória de um século; e da sua importância para cultura brasileira. Ao lado de outros grandes expoentes, como Sérgio Buarque de Olanda e Gilberto Freyre, ele interpretou o país na essência da nossa linguagem e costumes, traçando um perfil grandioso da nossa brasilidade. Nascido em 24 de julho de 1918, falecido em 2017, ele completaria 100 anos.
A “Ocupação Antonio Candido” tem como tema central a Literatura como direito universal, uma de suas grandes marcas, que ganhou o mundo literário em ensaio publicado em um dos seus livros, “Vários Escritos” (6ª edição, da editora Ouro Sobre Azul, de 2017). Sobre o tema, ele dizia: “a literatura é uma necessidade universal experimentada em todas as sociedades, das que nós chamamos primitivas às mais avançadas. O homem tem uma necessidade de complemento da vida.  A criação ficcional nos integra, ela passa a ser um componente da nossa visão do mundo, da nossa maneira de ser. Se ela existe em todas as sociedades, se é uma necessidade fundamental, ela é um direito de todo homem”.

Candido se definia como um “paulista mineiro que nasceu no Rio de Janeiro”. Em entrevista à Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas (Flipoços), ele explica sua naturalidade e raízes triangular: “eu nasci no Rio, fui com oito meses para Minas, me considero mineiro, mas me fiz em São Paulo”. Em entrevista durante a abertura da 9ª Feira Literária Internacional de Paraty (Flip), em 2011, ele disse ser “um sobrevivente”, fazendo menção a ser, provavelmente, “o último amigo vivo de Oswald de Andrade”. Em sua trajetória, ganhou os prêmios Jabuti (1960, 1965, 1966, 1993), Machado de Assis (1993), Camões (1998), Internacional Alfonso Reyes (2005) e Juca Pato (2007).

VISITAÇÃO

Av. Paulista, 149 – Bela Vista, São Paulo
Terça a sexta-feira:
das 9h às 20h (permanência até as 20h30)
Sábado, domingo e feriado: das 11h às 20h
Piso térreo (livre para todos os públicos)

Saiba mais na página da “Ocupação Antonio Candido”: http://www.itaucultural.org.br/ocupacao-antonio-candido

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Por favor, insira seu nome